Entendendo o requisito P5.6 da VDA 6.3 edição de 2016

  13/12/2020

Neste post de hoje abordaremos o requisito P5.6 que na verdade complementa em certa maneira o requisito P5.5 da VDA 6.3

No requisito P5.6 o foco está nas condições de manuseio e armazenamento dos materiais recebidos e para isto a organização deve ter um procedimento que descreva quais são as condições necessárias para garantir que as características dos materiais em estoque não sejam prejudicas em função das condições de manuseio e armazenamento.

Este item da norma não contem nenhum requisito especial das empresas do grupo VW, porém é importante entender o que deve ser atendido para garantir que os produtos não sofram deterioração em função das condições de armazenamento e por fim ;ara evitar a ocorrência de não conformidades durante as auditorias de VDA 6.3.

O primeiro passo é entender que a norma aborda num primeiro instante as condições das embalagens e quando falamos das condições de embalagem o objetivo é garantir que as embalagens estejam em condições adequadas de limpeza, em bom estado de conservação, tudo isto com o objetivo de garantir as condições adequadas dos produtos recebidos.

Este ponto geralmente é avaliado durante as auditorias através de uma avaliação física das condições de estoque, sendo que os auditores costumam andar pelas áreas de armazenamento em busca de embalagens, racks , caixas, etc) verificando as condições destes frente as necessidades dos produtos. E quando algum problema é identificado os efeitos são avaliados.

Outro ponto avaliado neste requisito são as condições do local onde o material deve ser armazenado, principalmente nos casos em que estas condições podem afetar a qualidade do produto armazenado. A organização deve avaliar cuidadosamente as especificações de cada produto a fim de identificar se há a necessidade de condições de armazenamento especiais, como por exemplo, controle de umidade, temperatura, vibração que possam afetar os produtos e garantir que estas condições sejam plenamente atendidas. Em alguns casos, as condições de armazenamento podem até ser definidos por legislação, quando por exemplo se trata de produtos químicos, produtos controlados, etc.

Este tema tem se tornado mais comum recentemente com os produtos que precisam de proteção contra descarga eletrostática (ESD) e neste casos é importante que todas as condições sejam avaliados e se necessário for, plenamente atendidas.

No post anterior falamos sobre a necessidade de um local especifico para armazenar produtos suspeitos ou produtos não conformes, e isto também é abordado aqui neste post, pois deve existir uma área, se preferível fechada, devidamente identificada, com acesso restrito para as peças suspeitas, ou produtos não conformes.

Este local tem como finalidade ser uma área segura para dispor os materiais suspeitos ou não conformes e desta forma evitar que os mesmos sejam utilizados inadvertidamente.

Como forma de ter um controle maior sobre os produtos nestas condições, é interessante, mas não obrigatório que haja um controle de entrada e saída de produtos desta área, contendo a descrição do produto, a data de entrada, o status, se estava rejeitado, aguardando inspeção, etc, a data de saída, a disposição dada a este produto (refugo, seleção, devolução, etc). Todo este controle tem como finalidade demonstrar que os produtos não conformes não foram utilizados nos processos destrutivos e ao mesmo tempo ser possível rastrear o histórico de cada um deles.

Outro tema abordado neste requisito é a necessidade de garantir o FIFO nos materiais e produtos recebidos. Uma questão que sempre surge é se é necessário ter um controle eletrônico do FIFO, e a resposta para esta pergunta é NÃO. Analisando a VDA 6.3, a Fórmula Q-Concreta e o CVS-10, em nenhum destes documentos se encontra descrito que a gestão do FIFO deve ser eletrônica. Logicamente que um controle eletrônico do FIFO dá maior credibilidade e robustez ao processo, mas o mesmo não pode ser cobrado como um requisito da norma.

Numa auditoria, o auditor buscará evidências de que o FIFO está sendo corretamente atendido, e caso isto não esteja, uma das possíveis causas pode ser a indisponibilidade de uma gestão de FIFO eletrônica, mas de forma alguma uma não conformidade pode ser aplicada baseado simplesmente na evidência de que o FIFO está sendo garantido de forma manual.

Lembrem-se que para existir uma não conformidade é necessário que haja um fato, uma evidência, ao contrário há uma inferência por parte dos auditores, e isso não é permitido conforme descrito no NBR ISO 19011 que trata de auditorias.

Outra coisa avaliada durante as auditorias e que deve ser garantida é que as quantidades de materiais descritos no sistema e fisicamente disponíveis nos estoques devem ser compatíveis, diferenças nestes valores são tratadas como não conformidade durante as auditorias.

Outros pontos também estão implícitos neste requisito como as condições de organização do local de armazenamento, as condições físicas do prédio podem ser questionadas pelos auditores, quando isto de alguma forma colocar em risco as condições dos produtos.

É comum encontrar empresas onde há vazamentos, produtos químicos armazenados sem as condições adequadas, pessoas não autorizadas com acesso a área de quarentena entre outras coisas.

Foi desenvolvido um e-book que contem um “check list” básico com os requisitos mínimos a serem considerados numa auditoria do capítulo P5 da VDA 6.3.

Acessem o nosso link, façam o cadastro e comecem a utilizar o material para a execução de suas auditorias de processo. O e-book deve ser uma referência durante a auditoria, devendo o auditor incluir mais perguntas em função da experiência que tem com a empresas e das peculiaridades dos produtos e processos envolvidos.

Caso surjam dúvidas com relação aao tema, entre na nossa área de contato e façam as perguntas, que logo a responderemos, e caso não saibamos do assunto, nos comprometemos a pesquisar e dar a resposta mais adequada.

Antônio Andrade

Mestre em Engenharia Mecânica, professor universitário e especialista em sistemas de gestão da qualidade.


Voltar

Fale Conosco

Como podemos te ajudar?
contato@visioncg.com.br
(11) 93228 - 9381


Saiba mais
Logo ABT Log

CONTINUE NAVEGANDO

Sobre
Produtos
Treinamentos
Blog
Contato

CONTATE-NOS

+55 (11) 93228 - 9381

contato@visioncg.com.br

Copyrights © Vision Consulting. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por Mpsoft Política de Privacidade | Termos de Uso